Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Café Amargo

ADOÇADO (OU NÂO) COM PEQUENAS NOTAS ...

Café Amargo

ADOÇADO (OU NÂO) COM PEQUENAS NOTAS ...

A ilha, o mar, o sonho

O mar de um azul mágico ressalta da imagem, prende o meu olhar e convida-me ao sonho que surge sem entraves. A minha imaginação vagueia por aquele mar e pára naquela ilha que, perdida no imenso domínio azul, se compraz em manifestar um inesquecível encanto. O meu sonho, logo ali, desenha o barco que vai seguir o roteiro marítimo que a minha imaginação traça para lá chegar. Embarco no sonho. Parto à descoberta da ilha. O barco rompe o mar azul que, sentindo-se contrariado, espuma um rasto branco de raiva. O meu barco, ignorando essa raiva, avança, abrindo o espaço azul que me separa e me aproxima da ilha. A viagem prossegue e a ilha vai tomando um contorno mais nítido. Olho as suas montanhas escarpadas que irrompem pelo céu azul, onde se encaixam entre o branco sereno das nuvens e o azul impetuoso do mar e se lançam, a pique, sobre ele, impondo-lhe os limites. Já espreito o Funchal. À luz do sol, o seu casario, subindo em anfiteatro, trepa pelas encostas, espia por entre o tufo verdejante dos montes e, lá do alto, contempla o imenso azul atlântico que lhe desenha os pés. De novo, prendo os olhos no azul do mar e o meu sonho, rompendo as barreiras da minha criação, foge para se espraiar num outro sonho que rasga, também, aquele mar imenso e me deixa a navegar à boleia de um navio de cruzeiro. O meu sonho, embalado pelo novo sonho, redesenha o barco e, por minha livre vontade, apodera-se do belo traço daquele navio. E deixo-me ir no mar dos sonhos por onde o navio navega. Os meus sentidos estão despertos para captar todos os momentos do tranquilo prazer que a viagem me proporciona. Sinto que a emoção pode tomar conta de mim. Para me recompor, faço uma pausa no mar dos sonhos que me absorve... olho o mar azul, mais apaziguado. Respiro fundo. O navio de cruzeiro aproxima-se do cais para acostar. Preparo-me para viver intensamente o instante em que os sonhos fogem de mim e se materializam. Frente à ilha, a emoção e o encantamento. Debruço-me sobre a amurada do navio. Algumas lágrimas caem, tocam levemente o casco do navio de cruzeiro, misturam-se àquele azul profundo… Olho o mar, mais uma vez. Não há sonhos impossíveis... E dirijo-me para o portaló para deixar o navio. Ali, a uma escassa distância, repousando o seu encantamento sobre Atlântico, a bela Ilha da Madeira espera por mim...

mariam

 

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.