Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Café Amargo

ADOÇADO (OU NÂO) COM PEQUENAS NOTAS ...

Café Amargo

ADOÇADO (OU NÂO) COM PEQUENAS NOTAS ...

Saramago, a dissidência e a heresia

Quando alguém afirma que cresceu empapado de Cristianismo e se assume ateu, não usufruiu do direito à dissidência? E comete alguma heresia pela sua convicção de não crença na existência de Deus? E a crítica feita à Bíblia e as considerações tecidas sobre o Deus dos cristãos, que tanto alvoroço e tanta indignação levantaram, tornam-no herege?! Claro que não. Mas se se reivindica  o direito à heresia, onde encaixa o dever de respeito e de tolerância pela liberdade religiosa dos outros? O direito de um seria a negação do direito do outro. O direito do herege seria limite e ataque ao direito de crente religioso. Tem cabimento advogar tal direito? Quem lança uma heresia em relação ao credo religioso de outrem, tem direito de a cometer? Estranha-se, pois, tal reivindicação da parte de quem vive numa sociedade ocidental que é tolerante com as crenças religiosas. Nos países onde o fundamentalismo religioso é tão radical e desafiante à livre expressão crítica da religião que se professa, tal questão não se põe. A crítica à religião é heresia que, tomada como blasfémia, resulta em perseguição feroz e condenação dos hereges. Veja-se como o Ayatollah Khomeini do Irão reagiu ao livro Versículos Satânicos de Salomon Rushdie, escritor que passou a ser considerado herege para a religião Islâmica.

Quando se reivindica o direito à dissidência, associa-se, de imediato, a não aceitação dos dissidentes e vem à memória a ex-potência que, épocas atrás, teve os seus Gulags. Não havia críticos. Não havia opositores. Nem pensar em dissidentes. Certamente que vêm à mente, também, aqueles países como a Coreia do Norte, Cuba, ..., onde militância do não reconhecimento dos direitos humanos se traduz na repressão à convicção, opinião e opção políticas dos dissidentes.

Liberdade de pensamento, de consciência, de expressão, de informação, de religião e crenças estão consagrados na ''Declaração Universal dos Direitos do Homem'' e na ''Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia''. José Saramago, prémio Nobel da Literatura, tinha convicções e não se coíbia de as assumir, mesmo que polémicas. Contudo, o escritor José Saramago acabou por reconhecer que se excedeu nas apreciações. Mas excessivo foi ouvi-lo dizer que nos direitos fundamentais do Homem faltam consagrar os direitos à dissidência e à heresia. Haja paciência, que Deus é magnânimo! Sabe perdoar.

 

mariam

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.